quinta-feira, 1 de março de 2012

O Crime do Poço (Mistérios do Edificio Joelma) Part. 1


Vamos conhecer o começo da história, que tem inicio muito antes mesmo de se cogitar a construção do Edifício Joelma; Um lugar carregado de energias sinistras, e que parece ser marcado para tragédias.
No ano de 1948 existiu uma casa onde mais tarde viria a ser construído o edifício. Nessa casa morava com sua mãe (Benedita) e as duas irmãs (Cordélia & Maria Antonieta) o professor de Química Orgânica; Paulo Camargo.
Paulo , assassinou a tiros a mãe e as irmãs, lançando seguidamente os seus corpos a um poço, que mandou construir. Segundo testemunhas da época, por dizer que precisava para se livrar de alguns produtos químicos que usava no trabalho. Mas tudo estava premeditado. Ele sabia desde o inicio oque ia fazer.
A policia cogitou duas hipóteses;
A primeira seria que a família não aceitava sua namorada. E a segunda, é que Paulo teria matado a sua família , porque sofriam de uma doença, e ele não pretendia cuidar delas. O fato é que nunca foi desvendado.
Parte de trás da casa , onde aconteceram os crimes.
Os corpos foram resgatados, por um dos bombeiros que viria também a ser a vitima da maldição, e morreu pouco tempo depois de Infecção cadavérica. O caso ficou conhecido com '' O Crime do Poço'' que ficou sem explicações para todo o sempre depois de o assassino se matar sem explicações.
Corpos da vitimas, que foram encontrados de cabeça para baixo, e sacos na cabeça.
24 anos depois viria a ser construído o Edifício Joelma , que queimaria em um incêndio de mais de 4 horas, e ainda abriga muitas almas que ainda queimam mesmo depois de tanto tempo.

CONTINUA.

2 comentários:

Kate disse...

Estou aqui vendo nascer uma grande escritora policial/suspense. Confesso não ser o genero da minha preferencia mas sei quando o trabalho é bom. Vou acompanhar sim seu blog e seguir suas histórias que mexeram com minha curiosidade. Parabéns!!!

Sente-se disse...

grande capacidade de nos rodear com o misticismo e as sombras que existem nas pessoas.