O Cair da Noite



-Vai sair mãe?-pergunta a menina, Camila, de sete anos com seu cachorro aos seus pés, á mãe que mexia na bolsa ocupada demais para olhar o rosto de sua filha.
-Vou sim Camila, quero que fique em casa, e que quando caia a noite você feche todas as portas, e janelas.
-Mãe, eu vou ficar aqui sozinha?
-É só uma noite garota, não dá pra morrer!
-Credo mãe!-pragueja a garota.
A garota se despediu da mãe, e foi assistir televisão. Ao cair da noite, a criança resolveu trancar tudo, mas uma janela estava emperrada e se recusava a fechar. Pensando que não se havia nada a fazer com aquela janela, decidiu deixar como estava. E foi dormir, chamando seu cachorro como ela fazia todas as noites, pra dormir embaixo da sua cama. 
Um barulho a acordou no meio da noite, o som de um gotejar...o barulho vinha provavelmente do banheiro que havia no seu quarto. Há primeiro instante, a criança pensou que era chuva, e pra ver se seu cachorro ainda estava ali colocou a mão embaixo da cama e sentiu seu cachorro lamber, cansada, voltou a dormir, Algum tempo depois ela acordou novamente, e colocou a mão embaixo da cama, sentiu a lambida de seu cachorro e voltou a dormir. 
E o barulho voltou, e ela acordou, e fez o mesmo, seu cachorro ainda estava lá lambendo sua mão, então a curiosidade á fez calçar seus sapatos, e ir atrás do barulho. 
Foi até o banheiro.
A medida que Camila se aproximava da porta, barulho ficava mais alto, ela abriu a porta devagar, procurando o interruptor, ligou a luz,  tapando a boca, com expressão de horror. 
Agora ela sabia de onde vinha o barulho... seu cachorro, pendurado no chuveiro,com a garganta cortada, com sangue pingado pingando no chão.
Assustada, correu pra pia do banheiro, parando ofegante, ela ligou a torneira e lavou o rosto suado, e as mãos tremendo fecharam novamente a torneira, ela levantou a cabeça, para olhar seu rosto.
No espelho, havia escrito com sangue uma frase.
“HUMANOS TAMBÉM SABEM LAMBER”.
Ao ver aquilo a criança solta um grito agudo de puro pavor, e no mesmo instante uma mão prende sua boca, e com a outra passa a faca em seu pescoço, calando de vez Camila.
                                                                          ----
A mãe chegando no outro dia, procura a filha pela casa, e não a encontra.
-Camila? Está aí?- a mãe abre a porta de seu quarto, olhando até debaixo da cama, mais foi abrindo a porta do banheiro que ela reencontrou Camila.
Morta e decapitada no chão do banheiro, com seu cachorro ainda a balançar com o vento que entrava pela janela emperrada.
Em cima da pia, havia somente um bilhete.
"Isso é pra você pensar duas vezes antes de deixar quem você ama sozinho. Ass: exterminador de crianças solitárias."
 Desde aquele dia , sua mãe vai até o banheiro ao cair da noite e acende uma vela em memória de sua filha. 

9 comentários:

DeBobeira disse...

Muito boa sua historia

Be Fontana disse...

Obrigada *-*

Jes disse...

Triste a história, mas muito boa vc tem um talento de escritora parabéns

Bjss

Jeremias Alves Pires disse...

Boa história. O lance do humanos também sabem lamber foi o que mais gostei. Já pensou em lançar isso em quadrinhos?

Um abraço

Be Fontana disse...

Obrigado a Jes , e ao Jeremias, pelos elogios, aqui vai o meu agradecimento!
Se eu já pensei.. não, kk'
Já pensei em livros, mais como a unica coisa que eu sei desenhar são mangás, nem cogitei a hipótese!

Abraços!

claudete disse...

A narrativa foi interessante, moral da história fechou bem o contexto. Um bom conto de terror!Beijos.

Be Fontana disse...

Obrigada Claudete é sempre um prazer assustar vocês! kkk'
Abraços!

Magali Schmitt disse...

Be, obrigada pela visita ao meu blog e por seu comentário querido! Eu mudei a configuração e agora nem eu mesma sei como se faz para seguir. Acho que você tem que clicar no meu nome em um post pra entrar no meu perfil. Você é corajosa e tem um estilo ousado de escrever!

beijo
Magali

Be Fontana disse...

É sempre um prazer visitar!
O meu Deus, acho que vamos nos complicar ai! kkkk'
Obrigada Magali pelo carinho e graciosas palavras!
Um abraço!